terça-feira, 24 de junho de 2008

BÍBLIA E LITURGIA: REFLEXÕES DA CAMINHADA III

BÍBLIA E LITURGIA: REFLEXÕES DA CAMINHADA III

"Mas o Senhor espera para ter piedade de vós, agüenta para se compadecer de vós porque o Senhor é um Deus reto: felizes os que nele esperam" (Is 30,18).

Foi numa assessoria sobre Liturgia Jovem, que a profecia de Isaías e a de João Batista chamou a atenção daquela juventude reunida em retiro.
Expliquei que nas leituras do tempo do Advento, Isaías é o personagem que apresenta textos messiânicos e escatológicos, que irão se complementar nos textos evangélicos referentes a João Batista, também personagem típico do Advento, uma vez que este fala e aponta o Messias (cf. Is 40,1-11; Lc 3,1-20).
A realização das profecias na história, aparece como desenvolvimento do desígnio da salvação na qual a chave é o Cristo. Assim, redescobrimos a centralidade de Cristo na história da salvação, ontem, hoje e amanhã.
Através da leitura atenta das Sagradas Escrituras, poderá se perceber e escutar os passos da Palavra que se aproxima da história da humanidade.
É em cada profecia realizada, é na fidelidade comprovada que se manifesta a fidelidade do Pai, o protagonista do Primeiro Testamento, aquele que Jesus vem revelar com a sua encarnação no Segundo Testamento e em nosso meio.
Uma jovem perguntou: - "Há uma ligação íntima entre Isaías, João Batista e Jesus?"
Respondi: - "Há! A profecia de João, a de Jesus, só fará sentido se for lida e inculturada a partir da profecia de Isaías; a profecia de um sendo ponto de chegada e de saída da profecia dos outros!"
O profeta Isaías é chamado de "protoevangelista" , pois, com seus oráculos anuncia os sinais dos tempos messiânicos; suas profecias revelam o rosto escondido do Ungido (Messias - palavra hebraica / Cristo - palavra grega = UNGIDO).
João Batista, o Precursor, aquele que vem antes para preparar o caminho, o último dos profetas, aquele que indica e mostra o Cordeiro que tira o pecado do mundo; aquele que recebe a resposta do Mestre à sua pergunta: - "És Tu aquele que devia vir ou devemos esperar outro?" e Jesus responde: - "Ide informar a João sobre o que ouvi e vedes: cegos recobram a visão, coxos caminham, leprosos são purificados, surdos ouvem, mortos ressuscitam, pobres recebem a boa notícia; e feliz daquele que não tropeça por minha causa" (Mt 11,1-6).
A partir das profecias na vida do povo, a liturgia do Advento desenvolveu na Igreja uma autêntica espiritualidade, que tem seu foco na espera do Senhor. Advento é a celebração alegre da espera do Senhor.
Encontramos no tempo do Advento algumas palavras chaves: "espera, esperança, atenção, vigilância, acolhida e partida".
A espera por Cristo deve ser aquela do(a) amigo(a) que há muito tempo não encontramos, não vemos!
O limite da espera é o encontro!
O limite do encontro é o abraço, o beijo fraterno!
Vem, Senhor Jesus!

Emerson Sbardelotti
Mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Um comentário:

jessica disse...

adorei a poesia do em que fala do mal dos outros bj te adoro de sua fa jessica