terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

MÍSTICA, ESPIRITUALIDADE E IDENTIDADE PEJOTEIRA

Mística, Espiritualidade e identidade pejoteira




mística

Quando falamos de mística estamos nos referindo ao mistério que nos faz viver.
É o mistério que comunica, é o sentido que tende a construir uma fraternura na Terra: harmonia com a Natureza, com as coisas, entre nós, com Deus. Mística: a palavra tem sua raiz na palavra MISTÉRIO (mysterion – em grego – cf. Mc 4,11; 1Cor 2,1.7; Cl 1,27; Ef 1,9). O que é Mística?
Mística é o fio condutor, uma linha invisível que une a memória e os sonhos, que une a história e a utopia, que une o passado e o futuro e que faz do presente uma grande festa, uma grande celebração.
Mas qual é a pergunta crucial da Palavra de Deus?
“Onde está o teu irmão?” (Gn 4,9).
É esta pergunta que está em jogo e que direciona a mística da Pastoral da Juventude e das Comunidades Eclesiais de Base. Se a gente lê o Evangelho do Moreno de Nazaré, Ele irá dizer isso o tempo todo: “Amar a Deus e a teu próximo”, “Pai Nosso...Pão Nosso”.
A ação de Deus se dá através da nossa ação. E se pode perguntar: “Deus faz milagre na história?”. Faz! Mas jamais fora das coordenadas da História!
Qual é o segredo da mística hoje?
É uma mística libertadora, inculturada e encarnada?
É muito importante voltar às fontes: A história pessoal de cada um de nós!

espiritualidade

Há vários conceitos e definições a respeito de espiritualidade, pois há várias espiritualidades. A que se propõe trabalhar aqui é a espiritualidade cristã, a espiritualidade latino-americana, a espiritualidade da libertação, enfim, a espiritualidade pé no chão!
A palavra ESPIRITUALIDADE tem sua raiz na palavra ESPÍRITO (ruah – em hebraico – cf. Gn 2,7).
Mas, o que é Espírito? Somos morada deste Espírito? Espírito e espírito! Há diferenças? Onde está centrada a nossa Espiritualidade?
Está centrada e fundada no Cristo Jesus, encarnado, morto e ressuscitado.
Sempre recordo as palavras de Sua Santidade, o Dalai-Lama quando este diz a Leonardo Boff: "Espiritualidade é aquilo que faz no ser humano uma mudança interior".
Aquilo que transforma nosso ser, nos leva a transformar a sociedade, se não o faz, não é espiritualidade, é espírito de porco!
A espiritualidade se caracteriza por:
1) A alteridade – conduz à vivência da espiritualidade. Muito além das fronteiras  legais de um Estado, estão as pessoas humanas, os “nós” e “eles”, onde se tornam necessários o diálogo e a vivência da alteridade.
2)  A comunidade de fé – muro de contenção. A espiritualidade é força do amor Ágape, que forma a comunidade. A comunidade se torna então um ponto de convergência, para onde convergem os iguais. A espiritualidade se identifica e se fortalece com pessoas que vivem a mesma situação de vida.
A espiritualidade é a raiz profunda de nossa força.
A espiritualidade é beber do próprio poço!
A espiritualidade cristã se não estiver inserida na caminhada de libertação do povo, ao mesmo tempo que fincada na tradição bíblica e eclesial, nada será, não terá nenhuma importância.
Continuamos com sede. Sede de paz, sede de amor, sede de justiça, sede de fraternidade, sede de alegria, sede de respeito, diálogo e encontro.
A espiritualidade vive da gratuidade e da disponibilidade.

identidade pejoteira

            A Identidade Pejoteira é caracterizada por: 1. Aderir à pedagogia e a prática libertadora do Moreno de Nazaré – suas opções e suas consequências; 2. Envolver-se e comprometer-se numa Comunidade Eclesial de Base, nos serviços com as juventudes: equipe de cantos, adolescentes, jovens, crisma; 3. Ler para conhecer e colocar em prática os documentos da Igreja: Concílio Ecumênico Vaticano II (o aggiornamento – 1962-1965), Conferência de Medellín (a libertação – opção pelos pobres - 1968), Puebla (opção pelos jovens - 1979), Santo Domingo (inculturação - 1992), Aparecida (comunidades de comunidades - 2007), os documentos do CELAM sobre a juventude: Pastoral da Juventude – Sim à Civilização do Amor (1987), Civilização do Amor – Tarefa e Esperança (1995) e Civilização do Amor – Projeto e Missão (2013); o documento 85 da CNBB: Evangelização da Juventude – Desafios e Perspectivas Pastorais (2007), o estudo 76 da CNBB: Marco Referencial da Pastoral da Juventude do Brasil (1997); a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium – A Alegria do Evangelho, do Papa Francisco (2013); 4. Estudar a Teologia da Libertação, a Espiritualidade da Libertação a partir do viés das juventudes com o coração leve, sem se deixar levar pelo que já foi dito e o que ainda é dito de contrário, conhecer os autores e as autoras desta linha de pensamento; 5. Assistir filmes e documentários a respeito da Igreja dos Pobres, Popular, da Libertação, de profetas do nosso tempo; 6. Escutar as músicas que são produzidas nas CEBS, pelos artistas da caminhada (Zé Vicente, Zé Martins, Reginaldo Veloso, Socorro Lira, etc); 7. Fomentar e criar as Escolas Bíblicas e Escolas Litúrgicas para jovens, incentivar a educação popular libertadora pensada e vivida por Paulo Freire e D. Helder Camara; 8. Respeitar, dialogar e ir ao encontro de quem pensa diferente de você, pois pensar diferente não é não amar a Pastoral da Juventude; 9. Ser ponte ao invés de muro e barreira entre os grupos de base e as instâncias, utilizando o método ver-julgar-agir; 10. Valorizar o trabalho do/a jovem que cresce na fé e na vida, se torna militante, assume compromissos nas instâncias da PJ mas não abandona sua CEB de origem.


fontes

BÍBLIA DE JERUSALÉM. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.

SBARDELOTTI, Emerson. Espiritualidad de la Liberación Juvenil. Montevideo: Ameríndia, 2014.

TAVARES, Emerson Sbardelotti. O Mistério e o Sopro – roteiros para acampamentos juvenis e reuniões de grupos de jovens. Brasília: CPP, 2005.

Emerson Sbardelotti
Mestre em Teologia Sistemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Assessora grupos de jovens para as áreas de Mística, Espiritualidade e Teologia da Libertação

2 comentários:

Aline Nobre disse...

Gostei muito da postagem. Axé!

Poeta Emerson disse...

Obrigado Aline Nobre.
Compartilhe com outras pessoas.
Abreijos com fraternura.

Emerson Sbardelotti