segunda-feira, 31 de março de 2014

TdL: encontros para grupos de jovens da Pastoral da Juventude

TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO
encontros para grupos de jovens da Pastoral da Juventude





Encontro 1: A ORIGEM


Preparando o ambiente: A bandeira da PJ aberta no chão; almofadas para os membros do grupo se sentarem; ao centro a Bíblia aberta em Lc 24, 13-35; música instrumental; incenso.

Oração inicial: Ofício Divino da Juventude (nova edição).
No momento da proclamação da leitura bíblica, usar a indicada acima, usar a Bíblia Pastoral, ou a de Jerusalém e ou a do Peregrino. Se preparada com antecedência poderá ser encenada, usando todos os espaços do local onde se reúne o grupo.

Dinâmica: A origem de cada um, de cada uma.
Cada participante receberá uma folha em branco e uma caneta e escreverá ali a sua árvore genealógica: bisavós – avós – pais – tios – primos – irmãos, etc. Enquanto escrevem, escutam a música PARATODOS (Chico Buarque), com o fim da música quem coordena observa se todos já terminaram, se não, toca novamente a música. Ao término, todos se apresentam e apresentam sua árvore genealógica.

Para início de conversa: Como nasceu a Teologia da Libertação?

            A Teologia da Libertação ou TdL, nasceu da herança profética do Concílio Ecumênico Vaticano II (1962-1965) que ao voltar às fontes da fé cristã, fez com que a Igreja espalhada pela América Latina e Caribe, a partir da Conferência de Medellín (1968) relesse e revisse sua história a partir da pedagogia e prática libertadora do Moreno de Nazaré e se deixasse inundar por sua Palavra e por suas ações, tomando a decisão de se colocar ao lado dos Pobres; esta decisão incomodou os poderosos, que não tiveram dúvidas que para calar a muitos a solução seria responder com violência e assassinatos. O contexto era o das ditaduras militares na América Latina e Caribe patrocinadas pelos Estados Unidos.
            Em suma, uma teologia contextualizada ligada a dois eventos fundamentais da Igreja – ao Vaticano II e sua teologia – e à Conferência de Medellín. A Igreja do Continente vivia sob o impacto dos movimentos sociopolíticos de libertação, da teoria da dependência, da pedagogia de Paulo Freire e de outros fatores culturais.
            Antes do Vaticano II se assistia à missa. Depois dele se participa da celebração eucarística. Quem assiste comporta-se passivamente. Quem participa, atua. Quem diz missa, pensa num rito pronto. Quem fala de celebração eucarística, entende-se envolvido num momento de vida; já diria o saudoso padre João Batista Libanio.
            No final da década de 1960, o padre dominicano Gustavo Gutiérrez, nas periferias de Lima, no Peru, em suas assessorias no meio daquela gente simples ia trabalhando uma ideia baseada na situação real dos pobres. Gutiérrez via neles o rosto do Cristo crucificado, do Cristo desprezado pelos seus, do Cristo desfigurado...como tantos rostos espalhados pelo Continente. Era preciso libertá-los. Com a Conferência de Medellín, tendo Gutiérrez sido um dos teólogos especialistas a participar dela, sabedor de que ali estava se colocando em prática o aggiornamento querido pelo Santo João XXIII, e as propostas do Concílio, principalmente aquelas brotadas da Constituição Pastoral Gaudium Et Spes.
Gaudium et spes ousou em termos conciliares em ser o primeiro documento na história da Igreja em que um Concílio toma posição em face das realidades terrestres, de maneira positiva, sob a perspectiva da fé. Vê nelas a presença criadora e salvadora de Deus. O conflito interpretativo dava-se entre a visão conservadora que dividia a realidade humana em natural e sobrenatural e a visão integradora e integrada da Transcendência e imanência. Na primeira perspectiva entram os movimentos espiritualistas daquele tempo e os movimentos religiosos de hoje em dia, enquanto a Teologia da Libertação insere-se nas esteiras da segunda. Tão forte o dualismo impregna a mente tradicional e fundamentalista que até hoje persiste tal tensão.
Gustavo Gutiérrez lança as bases em 1971 com a obra prima Teologia da Libertação – Perspectivas (que define o método e as principais pautas temáticas). Deslocando o acento da teologia como sabedoria, como saber racional, para a forma de reflexão crítica da práxis. Afirma-se como um novo modo de fazer teologia e não como tema ou tratado teológico.
Em 1970, o frei Leonardo Boff lançará o livro O Cristo Cósmico, que passará despercebido. Mas seu próximo livro Jesus Cristo Libertador, juntamente com o de Gutiérrez irá abrir corações e mentes para a teologia latina americana e caribenha que estava ganhando espaço: a Teologia da Libertação. O próprio Gutiérrez confessou várias vezes que as intuições originárias da Teologia da Libertação nasceram no Brasil da década de 1960 por conta da crítica consciente feita em vários ambientes dentro e fora da Igreja, e como eles se coligavam.
Ainda na década de 1970, o frei Clodovis Boff elaborará, em termos mais profundos, a metodologia da TdL, dando-lhe um estatuto teórico sólido.
Segundo o padre Juan Luis Segundo, a originalidade da TdL consiste em não buscar uma simples melhor compreensão da fé cristã diante da problemática intelectual do momento presente. Mas ir mais longe. Foi antes de tudo, uma libertação da teologia dos moldes europeus para responder a nossa situação. Por isso, ela parte dos problemas da América Latina. 


Iluminando com a Palavra:

Lc 4, 14-30.

Partilhando a Palavra:

            Jesus retorna a Galileia com a força do Espírito e sua fama se espalha por todas as regiões, inclusive na sua pequena Nazaré. Na sinagoga, num sábado, proclamou uma profecia de Isaias e ao final ele diz com toda calma e alegria: “Hoje se cumpriu essa passagem da Escritura, que vocês acabam de ouvir.”
            Os próprios compatriotas não acreditaram nele e quiseram lhe fazer o mal.
            Será que toda novidade, toda nova visão da realidade, prejudica a caminhada da comunidade?
            Como entendemos hoje esta profecia de Jesus?

Compromisso da semana:

            Procurar artigos e textos que falem e expliquem a origem da Teologia da Libertação no Brasil e na América Latina e Caribe, sobre o Concílio Ecumênico Vaticano II e sobre a Conferência de Medellín. Ler os artigos e textos e anotar os pontos principais, como também as dúvidas. Elas serão colocadas em comum no próximo encontro.

Se programe e compre estes dois importantes livros:

            GUTIÉRREZ, Gustavo. Teologia da Libertação: Perspectivas. São Paulo: Loyola, 2000.
            BOFF, Leonardo. Jesus Cristo Libertador. Petrópolis: Vozes, 2012.


Blogs de apoio e pesquisa:

            Nestes dois blogs há vários textos dos principais teólogos da libertação em atividade.

  1. http://teologiadalibertacaoemmutirao.blogspot.com.br/
  2. http://omisterioeautopia.blogspot.com.br/

Ajudando a refletir:

  1. Qual foi a importância do Concílio Ecumênico Vaticano II para a origem da Teologia da Libertação?
  2. Qual foi a importância da Conferência de Medellín para a origem da Teologia da Libertação?
  3. A Teologia da Libertação é antes de tudo uma libertação da teologia. Explique.


Emerson Sbardelotti

Mestre em Teologia Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

sexta-feira, 21 de março de 2014

ABRAÇOS COM FRATERNURA

Ipiranga, 19 de março de 2014.

Paz e bem!

         É com alegria que estou vivendo no bairro Ipiranga, do município de São Paulo, desde o dia 17 de fevereiro deste ano, por conta do Mestrado em Teologia Sistemática, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, campus Ipiranga.
         As muitas horas de estudo não conseguem tirar do meu peito a saudade que sinto das pessoas da Comunidade Eclesial de Base Nossa Senhora de Fátima, Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida – Cobilândia; dos alunos e colegas de magistério da Escola Teológica Santo Alberto Magno e da Equipe de Círculos Bíblicos, Paróquia Nossa Senhora das Graças – Coqueiral de Itaparica e da minha Família, que está aí em Vila Velha/ES, das amigas e amigos do Instituto de Filosofia e Teologia da Arquidiocese de Vitória do Espírito Santo, da Pastoral da Juventude, das CEBs. Peço que continuem fazendo suas orações por mim.
         Tenho estudado muito, a semana toda, pois quero concentrar todos os esforços na pesquisa que estou realizando. O tema é A OPÇÃO PELOS POBRES NA OBRA DE PATATIVA DO ASSARÉ. Dentro da área Teologia  e Literatura. O meu orientador é o Padre Dr. Antonio Manzatto.
         Neste primeiro mês de pós-graduação, já apresentei duas resenhas que serão publicadas nas revistas da PUC IPIRANGA, apresentei um artigo científico sobre Juventude e Espiritualidade da Libertação, e aguardo a resposta se será publicado; ontem já recebi o aceite do meu pré-projeto, agora é começar a escrever o primeiro capítulo da dissertação. Como podem ver, é muita coisa em pouco tempo e ainda há mais para vir.
         Desejo que o Deus da Vida continue abençoando a todos, todas, vocês.
         Que o Moreno de Nazaré sempre faça vocês felizes.
      Se mantenham felizes e fieis na esperança, na humildade, na misericórdia e no amor. Não deixem a profecia cair!

         Abraços com fraternura.

Emerson Sbardelotti Tavares


 Festa de São José, esposo da Virgem, protetor do Salvador.

AINDA BEM QUE ELE NÃO VAI!